Sindseg SC

Mau tempo eleva número de sinistros nos seguros residencial e auto

14/11/2018

Apenas no mês de outubro, chuvas e ventos fortes ocasionaram a queda de mais de 300 árvores em várias cidades do País. Nos Estados de Minas Gerais, Paraná e São Paulo, ventos acima de 70 km/h resultaram em destelhamentos e derrubaram árvores que atingiram veículos e imóveis residenciais e comerciais. O granizo e os alagamentos são outros problemas que enfrentam os moradores e motoristas que trafegam por essas regiões. Muitos deles têm dúvidas sobre o que o seguro residencial e o auto cobrem nessas situações.

Coberturas

A contratação da cobertura que garante eventuais danos em decorrência de fenômenos da natureza como vendavais, furacões, tornados, ciclones ou granizo é cada vez mais comum nessas duas modalidades de seguro. Mais de 70% das apólices residenciais e empresariais da Sompo, por exemplo, contam com coberturas opcionais contra vendaval, furacão, ciclone, tornado e granizo.

“Primavera e verão são duas estações em que a incidência de chuvas fortes e ventanias aumentam bastante. Há de se ter um contingenciamento para atender eventuais ocorrências com celeridade”, considera Andreia Paterniani, diretora de Sinistros da Sompo Seguros.

Já no seguro de automóvel, a contratação da cobertura compreensiva tem por objetivo indenizar o segurado dos prejuízos que o veículo venha sofrer em decorrência de colisão, incêndio e roubo. Ela abrange também os danos provocados pela queda acidental de agente externo que não faça parte integrante do veículo ou não esteja nele afixado, além dos danos decorrentes de granizo, furacão e terremoto.

“Haverá cobertura desde que ocorra a queda acidental sobre o veículo, de qualquer agente externo que não seja parte integrante deste ou não esteja nele afixado (fixo, firme, em caráter permanente), ou atrelado (engatado)”, explica Marcelo Moura, diretor de Automóvel da HDI Seguros. Segundo ele, os danos mais comuns nos veículos em caso de alagamento são o calço hidráulico, o curto circuito na parte elétrica e a deterioração do estofamento devido à enchente. “Já nos casos de granizo ou queda de árvores os danos ocorrem na pintura, na lataria e também nos vidros”.

É importante destacar que o segurado perde o direito a indenização caso trafegue por estradas não autorizadas, caminhos impedidos, não abertos ao tráfego ou em areias fofas ou movediças, bem como por praias e regiões ribeirinhas. Não há indenização, por exemplo, se tentar, intencionalmente, atravessar um rio em seu leito.

“Não dirija em áreas inundadas, vá sempre para um lugar seco. Se a água começar a tomar a rua, abandone o carro com segurança e siga para lugares altos e secos. Permanecer no veículo implica no risco de o motorista e seu carro serem levados pela enxurrada”, continua Moura. “Dez centímetros de profundidade já são suficientes para a água chegar ao assoalho do veículo, causando perda de controle se o carro estiver em movimento. Isso pode ainda danificar o veículo, fazendo-o ‘morrer’. Na dúvida, não arrisque”, conclui o executivo.

Prevenção

Para minimizar os riscos de danos em virtudes de chuvas e rajadas de ventos, vale observar algumas dicas básicas:

Em casa:

No carro:

Fonte: Revista Apólice | Maike Silva

Aniversariantes Ver todos

SindsegSC - Rua XV de Novembro, 550 - Sala 1001 - CEP 89010-901 - Blumenau/SC - (47) 3322-6067 - Fale conosco
W2O Softwares para Internet

Melhore sua experiência de navegação:

O navegador que você está usando é ultrapassado e pode estar colocando seu computador em risco!
Recomendamos que você atualize seu navegador ou faça o download de navegadores modernos como os listados abaixo: você vai sentir a diferença!

Fechar Aviso